Marina Gold realça a expressão corporal no processo de libertação no videoclipe do novo single “Passei da Fase”

Cada  vivência marca uma fase diversa da vida, sejam boas ou ruins,  elas que compõem a nossa identidade e trajetória. A transição entre esses ciclos, que muitas vezes requer autoconhecimento e amadurecimento, é o que guiou o novo trabalho da cantora e compositora Marina Gold, que usou de uma experiência pessoal para compor “Passei da Fase”, single que prega a libertação e a superação. Acompanhada de um videoclipe disponível no canal de YouTube da artista (assista aqui).

“Quero que essa canção e seu refrão ‘chiclete’, conecte com pessoas que estão passando de fases, como diz o título. Seja um relacionamento chegando ao fim, uma mudança profissional ou um processo de auto aceitação, qualquer transição pode parecer um obstáculo, mas acredito que no fundo representam a evolução. Por isso é sempre bom enfrentá-los em estado de paz”, conta Marina sobre a composição que foi muito pautada na coragem para mudar, temática inspirada pelo momento em que a paulistana se entregou ao sonho de ecoar sua voz na música e mudou de carreira.

“Passei da Fase” carrega uma melodia pop-leve com influência de lo-fi e R&B, e ainda traz alguns elementos surpresa. “Tentamos quebrar o gelo de um assunto mais sério brincando com a literalidade do termo ‘passar de fase’, uma referência aos jogos. A gente buscou vários sons clássicos de games, como do Mario Bros, pois atingem um campo nostálgico na mente das pessoas”, lembra Marina. O single tem produção assinada por Raul Alaune e Matheus Melo, do 48k, mesmo estúdio responsável por “Bisnaguinha” (assista aqui), o primeiro single autoral lançado pela artista, em maio deste ano. 

Com direção de Bia Pinho, da produtora Violeta, e participação da modelo e dançarina Emira Sophia, o registro audiovisual narra a superação por meio da dança, onde a leveza dos movimentos de Emira transmite a libertação que ela simboliza: “A dança veio justamente para expressar esse lado mais sensível da narrativa, que entra nessa história como uma metáfora da liberdade. É uma espécie de alter-ego que se manifesta de forma mais instintiva e expansiva”, explica Bia.

O jogo de câmeras no audiovisual também foi pensado para ampliar a sensação de leveza. “A ideia foi trazer um videoclipe composto por takes mais longos, com planos precisos e bem desenhados. Em alguns momentos, a câmera deveria se mostrar mais orgânica, dançada e fluída e, em outros, mais estática, apenas com movimentos de zoom ou travelling”, conta a diretora.

Entre cenas alternadas de Marina Gold e de Emira Sophia, as passagens em que as duas se encontram simbolizam um elo nos processos de superação. “Eu acho que a Bia conseguiu trazer na linguagem dela e na sutileza dos movimentos algo bem reflexivo e de expansão. Transmite  uma real demonstração de alguém que está passando por uma transição”, pensa a cantora.

Com “Passei da Fase”, Marina Gold propõe instigar e trazer para o diálogo essa temática que, apesar de tão comum, é muito particular de cada vivência. Assim, com muito respeito e em meio à felicidade de quem apostou em seus sonhos, sem medo, a artista inspira e propõe conexões, independente da mudança de fase que cada pessoa está enfrentando.

WhatsApp chat